nº 403 - Vozes do Futuro



Autor: (Editado por Isaac Asimov)
Título original: Tomorrow's Voices"
1ª Edição: 1984
Publicado na Colecção Argonauta em 1991
Capa: A. Pedro
Tradução: Samuel Soares

Súmula - Foi apresentada no livro nº402 da Colecção, com a indicação de "Ler nas páginas seguintes a súmula do próximo volume da Colecção Argonauta":

Isaac Asimov não é apenas um ilustre professor de Biologia, é o mais prolífico dos autores e aquele em que mais géneros se distinguiu, desde a ficção à divulgação científica, ao ensaio histórico e filológico e à literatura fantástica e policial. É também um editor empenhado em descobrir novos valores, e há que dizer que tem tido largo êxito nessa missão.
Por mais de uma vez têm sido publicadas na Colecção Argonauta obras cuja publicação se deveu a Asimov. Vozes do Futuro - (Tomorrow's Voices) é uma colectânea de contos de uma qualidade e diversidade surpreendentes, pois vão do pesadelo transdimensional até à bem humorada visão do futuro, das aventuras mais inesperadas às histórias mais comoventes.
É certo que entre os autores não figuram nomes conhecidos - hoje! Ou antes, quando os contos foram escritos, porque depois houve entre eles quem fosse designado para o Prémio Hugo. Mas a honra de serem escolhidos por Isaac Asimov, não é por certo menor.  

Introdução (do editor):

Se acompanha a publicação da Isaac Asimov's Science Fiction Magazine, terá conhecimento de que, no decorrer dos anos, os editores fizeram sair uma série de antologias compreendendo a melhor ficção da revista. Essas antologias (como Alienígenas e Extraterrestres e Espaço para Elas, uma selecção de histórias curtas escritas por mulheres) têm-se revelado imensamente populares entre os leitores. Decidimos agora fazer algo de novo e assim, pela primeira vez, reunimos uma antologia de histórias originais. Por conseguinte, todas as histórias que figuram em Vozes do Futuro, aparecem pela primeira vez em letra de forma.
Tal como aqueles contos que saíram em Isaac Asimov's Science Fiction Magazine, estas histórias estão todas voltadas para o Amanhã, ou mesmo para os tempos de hoje, de uma forma imaginativa e original. São todas de óptima qualidade, e escritas por autores de quem temos a certeza de vir a ler mais. Esta antologia tem uma característica especial que lhe é própria, embora a maioria destas histórias venham de pessoas que são relativamente novas no campo da ficção-científica. Na verdade, alguns destes excitantes contos, constituíram as primeiras obras vendidas pelo respectivos autores.
Muitas destas histórias servem de interface com os temas tradicionais da ficção-científica, tais como as múltiplas dimensões, as viagens no tempo e a colonização de planetas distantes, mas cada uma o faz à sua própria e singular maneira. Exploram a condição humana, indo desde o tema da mãe que não é capaz de combater a respectiva família no calor do deserto do Arizona (especialmente quando um mundo melhor se está a abrir para ela) até ao rapaz atrasado mental e à empática irmã, adaptando-se à vida num mundo colonial. Investigam igualmente os limites do potencial da raça humana, numa história em que a vítima de um acidente, severamente lesionada, é reconstruida; e noutra em que é descoberta uma ponte que nos conduzirá a qualquer lado, desde que não tenhamos medo de a usar.
De facto, cada uma e todas as histórias representam uma fascinante antevisão do Amanhã, descrita pelas Vozes do Futuro

Índice dos Contos

O Coração Dentro do Ovo (Jayge Car) - pág. 7

A Promoção do Peão (Lee Vester) - pág. 31

A Prisioneira da Gravidade (F. Gwynplaine MacIntyre) - pág. 65

Ladybug, Ladybug (Avon Swofford) - pág. 86

A Quarta Vocação de George Gustaf (David Brin) - pág. 105

A Estação do Mal (CL. Crouch) - pág. 125

Não Bebas o Céu de Mirmidão (Bruce Boston) - pág. 154

O Cliente Tem Sempre Razão (Lee & Patrick Killough) - pág. 156

Devolvam-no aos Índios (Bill Messenger) - pág. 174

A Ponte que Canta (Joel Richards)- pág. 194

Minha Irmã e Eu (Mark L. Van Name) - pág. 208

A Filha de Anukazi (Mary R. Gentle) - pág. 222

Famílias (Julie Stevens) - pág. 240

Faz Com Que Nunca Tenha Acontecido (Bill Bickel) - pág. 257

Arriki (Daniel E. Dabbs) - pág. 272

A Transformação (Chuck Rothman) - pág. 301 

Nota: Os contos Ladybug, Ladybug e A Estação do Mal, estão entre os melhores que li até hoje.  

Sem comentários:

Publicar um comentário