nº 218 - Um Estranho Numa Terra Estranha 2



Autor: Robert A. Heinlein
Título original: Stranger in a Strange Land
1ª Edição: 1961
Publicado na Colecção Argonauta em 1975
Capa: Lima de Freitas
Tradução: Eurico da Fonseca 


Súmula - Foi apresentada no livro nº217 da Colecção, com a indicação de "Ler nas páginas seguintes a súmula do próximo volume da Colecção Argonauta":

Quando o homem apontou para Jill e os dois homens que o ladeavam correram para ela com as suas armas de grande maldade, Smith prolongou-se através do seu Doppelgânger e deu-lhes aquele pequeno torcegão que levava as coisas a afastarem-se. 
O primeiro homem olhou estupefacto para o sítio onde eles tinham estado, puxou pela sua arma... e desapareceu também.
Os outros quatro começaram a aproximar-se. Smith não queria torcê-los. Sentiu que Jubal ficaria satisfeito se ele apenas os parasse. Mas para uma coisa, mesmo que fosse um cinzeiro, era trabalho - e Smith não tinha o seu corpo. Um Velho poderia ter conseguido isso, mas Smith fez o que pôde, o que tinha que fazer.
Quatro toques leves como uma pena - eles desapareceram.
Ele sentiu uma intensa maldade do carro que estava no chão e dirigiu-se a ele - grokkou uma decisão rápida, e o carro e o piloto desapareceram.  
Quase se esqueceu do carro que pairava, em patrulha. Smith começava a acalmar-se - quando, subitamente, sentiu a maldade aumentar, e olhou para cima.

... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ...

Eis um dos mais emocionantes trechos do segundo volume de Um Estranho Numa Terra Estranha - a mais célebre obra de ficção-científica da actualidade, e o mais discutido trabalho de Robert A. Heinlein. 

Sem comentários:

Publicar um comentário