nº 246 - O País de Outubro



Autor: Ray Bradbury
Título original: The October Country
1ª Edição: 1948
Publicado na Colecção Argonauta em 1978
Capa: Manuel Dias
Tradução: Maria Emília Ferros Moura

Súmula - Foi apresentada no livro nº245 da Colecção, com a indicação de "Ler nas páginas seguintes a súmula do próximo volume da Colecção Argonauta":

A imaginação de Ray Bradbury e a efabulação que lhe dá estrutura parece não conhecerem limites! O campo dos possíveis, que, no grande escritor, se vai expandindo como um universo, é explorado, de obra para obra, com crescente audácia.
Em O País de Outubro, Bradbury quer fazer reviver - é essa, pelo menos, a sua intenção aparente - o velho tema do narcisismo. Mas, enquanto Narciso se apaixonou pela sua própria imagem reflectida nas águas, o "herói" deste romance apaixona-se por... (E, aqui, nada mais antecipamos para o Leitor).
Nas mãos de Bradbury, os milenários fantasmas que povoam o psiquismo humano ganham corpo e esqueleto para se movimentarem, objectivamente, num mundo que só por ilusão ou candura se tomará como regido pela mais desenfreada fantasia. O absurdo tem, com efeito, as suas leis. Caberia aqui, falar de Jung e do seu conceito do inconsciente colectivo. Mas talvez que os espíritos mais delicados achassem escandalosa a aproximação, mesmo que só por hipótese, entre o grande sábio suiço e o popular autor de ficção-científica norte-americano...
De qualquer modo, o acenar a esse longínquo antepassado que usou, literáriamente, o pseudónimo de Lewis Carroll, não parecerá despropositdo a propósito da obra de Ray Bradbury. Na realidade, o que é a Alice no País das Maravilhas senão, de uma ponta a outra, uma projecção fantasmagórica que dá corpo e dimensão, no écrã deste nosso mundo, à lógica de um mundo que sabemos ser outro, outro e acaso mais real do que as aparências por entre as quais nos movemos, como se elas fossem mesmo a realidade? Neste aspecto, as hipóteses de indagação tornam-se quase infinitas...
O País de Outubro vem, mais uma vez, confirmar o génio sem limites de Ray Bradbury!

Nota: os contos publicados são os seguintes:

  1 - O Anão
  2 - O Monóculo Vigilante de H. Matisse
  3 - O Esqueleto
  4 - O Frasco
  5 - Nem Todos Viajam da Mesma Maneira
  6 - O Mensageiro
  7 - A Mulher Demoníaca
  8 - A Foice
  9 - O Tio Einar
10 -  O Vento
11 - Era uma vez uma Velha
12 - Regresso a Casa
13 - A Morte Maravilhosa de Dudley Stone

Sem comentários:

Publicar um comentário