nº 202 - O Mundo dos Homens Perfeitos



Autor: John Brunner
Título original: Entry to Elsewhen
1ª Edição: 1972
Publicado na Colecção Argonauta em 1974
Capa: Lima de Freitas
Tradução: Maria Emília Ferros Moura

Súmula - foi apresentada no livro nº201 da Colecção, com a indicação de "Ler nas páginas seguintes a súmula do próximo volume da Colecção Argonauta":  

Um admirável romance de ficção-científica, que vai marcar um ponto alto na Colecção Argonauta e de que damos em seguida um pequeno excerto:

... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ...

Antes de conseguir aceitar a realidade, Cecil Clifford olhou longamente o rosto estragado, em que ainda se discerniam restos da antiga beleza e o cabelo escuro espalhado na almofada. Os olhos encheram-se-lhe súbitamente de lágrimas, que reteve encolerizado. As lágrimas de nada valiam ante a presença da morte.
Finalmente, fez sinal à enfermeira para que cobrisse com o lençol o rosto que outrora amara, e ela obedeceu. Voltou-se de costas e começou a reunir os instrumentos cirúrgicos: reparou que a assistente o fitava com um olhar interrogativo, mas compreensivo. Sentiu a necessidade de explicar.
- Era... era a mulher de um dos meus melhores amigos - disse, num tom de voz áspero que provocou um aceno de compreensão na enfermeira que, no entanto, se absteve de qualquer expressão de pena, o que ele intimamente lhe agradeceu. Todo o desgosto que sentia era qualquer coisa de muito seu.
E o que matara Leila Kent, fora uma doença que estava a vitimar a população.
- Se me passar a certidão de óbito, ainda a assino antes de ir para casa - concluiu depois de uma pequena pausa.
Lançou um último olhar sobre o corpo imóvel, depois do que avançou em passos rápidos atè à cama do doente seguinte. Só nesta enfermaria, havia sessenta camas separadas por pequenos biombos desdobráveis e desde a primeira à última, todos os doentes eram vítimas da Peste.
- Só lhe falta o 47, doutor - ouviu a enfermeira dizer nas suas costas, e por um breve instante quase acreditou que ela lhe queria realmente dizer que apenas faltavam examinar mais quarenta e sete doentes. Talvez ainda fosse assim um dia...
Mas na realidade, ela estava a referir-se ao Número 47, Buehl, o astronauta, ainda fraco mas já convalescente, embora tivesse passado dez dias em tratamento, dado que o diagnóstico só ao fim desse período identificara a doença. O bacilo da Peste atravessava uma fase de camuflagem e o doente apenas apresentava sintomas de gripe. Até que... a explosão se deu!
Clifford interrogou-se amargamente se todas as drogas e antibióticos que dera a Buehl teriam produzido efeito. Assim acontecera aparentemente, pois a verdade é que aparentava melhoras. Tentara no entanto o mesmo tratamento com Leila Kent... e ela morrera.
Afastou decididamente o pensamento, mas a realidade dos factos mantinha-se: algumas vezes a Peste era mortal em cada um dos dez doentes, independentemente da terapêutica aplicada pelos médicos e outras vezes assistia-se a uma cura milagrosa em questão de dias, ocasionada por um tratamento algures malogrado.
Era simplesmente de loucura!
Mas o homem deitado na cama 47 tentava esboçar um sorriso e teve de lhe corresponder a fim de lhe inspirar confiança. 
- Bom! - exclamou. - Como se sente?
- Podia perfeitamente dar-me alta - disse por entre dentes o astronauta, fechando a revista técnica que estava a ler e correndo o fecho éclair do casaco, - Sinto-me capaz de voltar imediatamente aos voos espaciais.
- Essa decisão pertence-me e não a si - contrapôs Clifford com pretensa severidade e preparando-se para o auscultar com o broncoscópio. Buehl submeteu-se com um bocejo à lâmpada minúscula e ao tubo do aparelho.
Um rápido exame foi o suficiente para que Clifford se apercebesse de que o doente tinha realmente razão. Não necessitava de consultar o gráfico do dia anterior referente à garganta inflamada para compreender que tudo voltara repentinamente à normalidade. Os tecidos que há vinte e quatro horas se apresentavam inchados e de um vermelho vivo, estavam agora de um rosado tom saudável. Desligou o broncoscópio e confirmou as conclusões a que chegara com o estetoscópio. Os brônquios alterados de Buehl, que lhe tinham provocado uma respiração de doente a morrer de pneumonia, não acusavam praticamente qualquer sinal de anomalia.
Maldito bastardo! Porquê ele? Porque não...
Mais uma vez, Clifford varreu decididamente do espírito os pensamentos que o assaltavam. Ainda tinha de fazer mais alguns exames, antes de se poder pronunciar. Até esse momento, todos os que conseguiam escapar tinham ficado permanentemente imunes  - alguns voluntários corajosos tinham demonstrado esse facto - mas mesmo assim, com um micróbio daqueles, mutável, imprevisível...
- O braço, por favor - pediu, pegando no hemómetro. Buehl levantou a manga e deixou-se examinar. O mecanismo entrou em funcionamento e os números tornaram-se visíveis no mostrador: a contagem de sangue e a utilização de oxigénio eram normais. Buehl soltou uma risada ao ver-lhe a expressão.
- Está a tentar provar que não tenho razão, doutor?
- A sua recuperação é realmente inegável - retorquiu Clifford num tom subitamente ríspido. - Mas um de cada dez dos nossos doentes morre, seja qual for o tratamento aplicado e queremos descobrir o que fez com que você escapasse e eles não!
- Ouvi realmente falar nisso - disse Buehl com um aceno de súbita compreensão. - E há muita gente com a Peste, não há? Devem estar a lutar com uma tremenda falta de espaço, para se verem obrigados a juntar homens e mulheres assim na mesma enfermaria - continuou, indicando a ampla divisão e os biombos. - Quer provavelmente testar o meu sangue e verificar qualquer anticorpo que fez o milagre?
- Sim, é isso que faremos - concluíu Clifford um pouco envergonhado pela forma como falara e disfarçando a reacção mediante cuidados excessivos com a esterilização do aparelho que acabara de utilizar. - Temos portanto um bom motivo para não o mandar imediatamente de volta para Marte.
Servindo-se do EEG portátil, aplicou os terminais de sucção a algumas partes do crânio de Buehl, que tinham sido rapadas, embora de forma a permitir que o cabelo de tom castanho as disfarçasse.
- Mantenha os olhos fechados, por favor - pediu, examinando as indicações que apareceram no mostrador verde e iluminado do aparelho. - Abra, feche... Muito bem. Mantenha-os fechados e pense em qualquer coisa complicada.
- Estive a ler um artigo escrito por um indivíduo de Princeton. Propõe-se tornar as naves espaciais obsoletas. Utiliza uma matemática complicadíssima.
- Serve perfeitamente - respondeu Clifford com ar ausente e concentrando-se nos elementos fornecidos pla leitura do aparelho.
Meio minuto bastou para lhe comprovar que a capacidade intelectual de Buehl estava a funcionar em pleno.
- Pode descontrair-se - disse, retirando os terminais. - Nunca esperei que ficasse contente com a ideia de um cemitério de naves espaciais - acrescentou secamente.
- Não se trata de ficar ou não contente. O problema está em que considero o indivíduo capaz de construir um transportador espacial. 
- Mas pensei que já tinham provado que isso era impossível - exclamou Clifford erguendo os olhos, admirado.
- A velha teoria de estudarem a estrutura molecular de qualquer coisa e de se servirem de ondas transportadoras está definitivamente posta de parte. Mas este Professor Weissman está a abordar o assunto de um ângulo completamente diverso. Fala em conseguir a sobreposição de espaços diferentes. Diz que qualquer objecto introduzido num dos espaços apareceria também no outro. Trata-se de uma macroaplicação do princípio das probabilidades. Acha que era capaz de me arranjar um computador? Gostava de testar o raciocínio matemático que ele faz.
Clifford pestanejou. Sabia perfeitamente que para se ser astronauta, se era obrigado a ter conhecimentos excelentes de Matemática, mas de acordo com a sua ficha, Buehl não passava de um técnico mediano e a sua ideia de corrigir a teoria de um professor do Instituto de Altos Estudos parecia improvável.
- Acha-se realmente capaz de o fazer? - perguntou, sem se conseguir dominar.
- Refere-se às minhas condições físicas? Claro que sim... Não, não era isso o que queria dizer, pois não? - acrescentou, com uma tentativa de sorriso. - É o resultado de se ter a aparência de um homem saudável em vez da palidez do intelectual. Sim, doutor, sou capaz. Quando é preciso, domino a mecânica celeste. Já me aconteceu isso uma vez, quando a caminho de Marte o computador da nossa nave ficou avariado devido a um corpo astral estranho.
- Está bem. Verei o que posso fazer - respondeu Clifford com um sinal de assentimento que era igualmente de admiração. - Não sei quais as possibilidades de lhe pôr à disposição o nosso computador principal - os nossos funcionários dos serviços estatísticos protestam com a falta de material disponível -, mas acha qe uma calculadora portátil lhe serviria?
- Seria melhor que nada - respondeu Buehl.
- Não se importa de se encarregar da satisfação deste pedido? - Perguntou Clifford à enfermeira. - E já o pode transferir para um quarto de convalescentes. Está a reagir muito bem.
A cama dele pode ser cedida a um outro doente, continuou a pensar. O Buehl tem razão. Estamos sobrecarregados. A Peste está a devorar o país como um fogo na floresta...
Era o seu último doente daquele dia e nunca se sentira tão contente por ver o dia de trabalho terminado. Desde as seis da manhã que estava ao serviço e já passava nesse momento das quatro da tarde. Nas dez breves horas que tinham decorrido, assinara nove certidões de óbito - todas devido à Peste.
Saíu da enfermaria com ar fatigado e tirou a máscara e a bata que seriam inutilizadas. Depois passou cinco minutos no duche a esfregar-se com sabonete antigermes e retirou as roupas do radiador de ultravioletas, onde tinham ficado desde manhã. Seguira todos os princípios de desinfecção prescritos, que no entanto estavam a falhar cada vez mais desde que a Peste começara.
Quando entrou no escritório reservado aos cirurgiões, já aí encontrou o seu substituto da noite, o que se preparava para ir tomar duche. Deu-lhe uma breve panorâmica dos casos mais graves e falaram sobre assuntos variado até à chegada da enfermeira, que trazia os documentos.
Sem ligar ao problema tempo, leu-os um a um cuidadosamente, mais pela força do hábito do que por esperar encontrar alguns erros. Assinou e voltou a devolvê-los.
- Está lá fora um polícia à sua espera, doutor - informou a enfermeira num tom de voz hesitante quando lhes pegou. - Diz que quer falar consigo pessoalmente.
- Que diabo quererá?- explodiu Clifford.
- Não me disse. Mas insiste em que se trata de um assunto importante.
- Diabos o levem... Bom, acho que é melhor mandá-lo entrar. 
Recostou-se na cadeira e cerrou os olhos. Quando os voltou a abrir, viu recortado na ombreira da porta a figura de um homem alto e elegante com o uniforme de inspector e um olhar preocupado que Clifford reconheceu: vira aquela expressão no seu próprio rosto quase diariamente durante aquelas últimas semanas.
- Sei que está muito ocupado, doutor... começou a dizer o recém-chegado, mas Clifford não o deixou terminar a frase.
- Não tem importância. Sente-se. Em que lhe posso ser útil?
- Obrigado. Bom, chamo-me Thackeray, Inspector Thackeray e trabalho no Departamento dos Desaparecidos na Yard. Espero que me possa prestar algumas infomações relativamente ao que pretendo.
- Estou demasiadamente cansado para enigmas - suspirou Clifford.
- Claro. Desculpe. Bom, a verdade é que foi o médico que prestou assistência num dos primeiros casos de Peste, não é verdade? Não sei qual a designação oficial que dão a esta doença.
- Ainda ninguém teve tempo de a baptizar. Peste é um nome tão bom como outro qualquer .
- O caso a que me refiro - continuou Thackeray com um sinal de assentimento - é o de um homem não identificado que chegou a Londres de comboio vindo de Maidenhead. Moreno, bastante forte e entre cinquenta e sessenta anos. Sabe de quem se trata?
- Sim, recordo-me. Estava inconsciente quando o comboio chegou à última estação e não voltou a falar antes de morrer. Tivemos vários casos semelhantes. Julgo que o nosso pessoal da Secretaria lhes fornece todas as informações, ou não?
- Sim, de facto - retorquiu Thackeray um tanto mal humorado. - É esse o nosso problema. Quando diz que houve vários casos semelhantes, está a menosprezar um pouco os factos. Houve mais de cem pessoas na cidade de Londres até este momento que ou pediram boleia e morreram nos carros que as transportavam, ou não conseguiram sequer sair dos comboios e autocarros e estavam já em coma quando as tentaram transportar.
- Centenas? É realmente um número elevado. Mas o que posso fazer pessoalmente?

... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ...

Sem comentários:

Publicar um comentário