nº 341 - Regresso ao Mundo do Rio 2



Autor: Philip José Farmer
Título original: Gods of Riverworld
1ª Edição: 1983
Publicado na Colecção Argonauta em 1985
Capa: A. Pedro
Tradução: Eurico da Fonseca

Súmula - Foi apresentada no livro nº340 da Colecção, com a indicação de "Ler nas páginas seguintes a súmula do próximo volume da Colecção Argonauta":

Este segundo e último volume da obra de Farmer, Regresso ao Mundo do Rio, decorre no mesmo estranho planeta onde as pessoas que viveram e morreram na Terra desde os primórdios da humanidade, ressuscitam, amalgamadas no Tempo e na Cultura social: caçadores primitivos, da Idade da Pedra; bárbaros da Ásia, de há três mil anos atrás; Americanos do século XX, destacando-se a intervenção de múltiplas figuras históricas proeminentes na Ciência, na Literatura, na Arte e na Política.
Tudo o que parece não ser mais do que uma fantasia, começa a tornar-se profundamente lógico, visto concluir-se que alguém criou esse estranho mundo de ressuscitados, com um fim determinado. 
Os ocupantes da Torre do Pólo Norte do Mundo do Rio analisaram as suas vidas... e esqueceram todo o desejo de Passar ao êxtase que estaria para além da morte e da vida. Dispondo de poderes imensos, dispondo até da possibilidade de criar os seus próprios mundos e de povoá-los com os seus amigos ressuscitados ou com andróides, sentem-se como verdadeiros deuses - esquecendo-se do Snark, o desconhecido que os fechou na Torre e que domina o Computador, o espantoso cérebro artificial que contém todos os registos das vidas humanas, e que pode criar e recriar tudo o que pode ser desejado.
Na Torre, Richard Burton e os seus companheiros sentem-se como no céu. Mas podem também investigar o passado. Por exemplo: - Quem foi Jack, o Estripador? A verdade surge, espantosa, nunca sonhada. Mas então e subitamente, criminosos surgem entre os ressuscitados - e ninguém sabe quem os ressuscitou. E uma festa inspirada no célebre Chá Louco, de Alice no País das Maravilhas, torna-se em algo realmente louco - num drama sangrento, tremendo. Ao mesmo tempo que, sobre os mundos privados que os ocupantes da Torre tinham construído, se abate algo  como o Juízo Final. 
Mas quem será o Juiz? 

Sem comentários:

Publicar um comentário