nº 525 - O Poço de Shiuan 1



Autor: C J. Cherryh
Título original: The Morgaine Saga Omnibus Well of Shiuan
1ª Edição: 1978
Publicado na Colecção Argonauta em Maio de 2001
Capa: António Pedro
Tradução: Alexandra Santos Tavares
Revisão: Dália Moniz 

Súmula - foi apresentada no livro nº524 da Colecção, com a indicação de "Ler nas páginas seguintes a súmula do próximo volume da Colecção Argonauta":    

As portas eram relíquias de outras épocas. O Comissariado da Ciência da União admitia que outrora elas tinham servido de ligação, através da galáxia, a uma série de civilizações - que, por sua vez, haviam formado um império, regido por um povo desapiedado, conhecido como o povo dos qhal.
Quem é então a viajante misteriosa, esguia e altiva com o mais nobre dos homens, pálida e distante, que percorre os mundos acompanhada apenas pelo fiel Vânya, o guerreiro solitário que jurou servi-la? Será ela capaz de chegar à Montanha do Fogo, à terrível Ivrel, e de aí fechar a última das portas?
O Poço de Shiuan dá sequência às aventuras de Morgana, a feiticeira de A Porta da Montanha do Fogo, e constitui o segundo volume da trilogia A Saga de Morgana, uma obra-prima da ficção-científica e da literatura de fantasia, que a Livros do Brasil se orgulha de apresentar aos leitores portugueses.

***

Continuou a trabalhar, fazendo girar a foice e cortando a relva. Em seu redor, apenas se ouvia a canção dos insectos. Depois do meio-dia, levou a sua carga para a margem e descansou, na encosta junto à água; e comeu a sua refeição, observando os remoinhos da corrente que passava pelo monte em frente. Aquele era um local que ela conhecia muito bem. 
Enquanto olhava, apercebeu-se que havia uma sombra nova e curiosa na margem, que havia na verdade uma brecha naquele monte, aberta precisamente sobre aquela excrescência de rocha. Num instante, engoliu um grande pedaço da sua refeição e deixou tudo ali - os jarros, a foice, os feixes de relva - e puxou a corda e a vara do barco. 
A sepultura. Uma câmara funerária, que tinha sido aberta pela chuvada da última noite. Verificou que tinha as mãos a suar devido ao entusiasmo, enquanto puxava o barco e o levava através do canal estreito 
O outro monte era perfeitamente cónico, exibindo cicatrizes no cimo como a maioria de tais montes suspeitos das redondezas, ferimentos causados pelas gentes anteriores de Barrows para verificarem se tinha sido feita ali alguma sepultura. Esses pesquisadores nada tinham ali encontrado, senão tê-lo-iam pilhado e deixado aberto para os céus. 
Mas as águas, ao aproximarem-se da base, tinham feito aquilo que os homens não tinham conseguido fazer e descoberto o que os homens nunca tinham descoberto: tesouros, ouro, a aquisição de luxos, ali no fim do mundo.
O bote raspou o fundo entre as canas e Jhirun saltou para a terra com água pelos joelhos até poder subir para a margem de barro. Puxou o bote para terreno sólido, perto da camada de rocha que tapava a brecha. Tremeu de entusiasmo ao ver como aquela aparente excrescência de rocha estava cortada na ponta, provando não ser obra da natureza: a chuva tinha-o exposto e pela primeira vez à luz, pois Jhirun tinha ali estado havia alguns dias e não o tinha visto. Mergulhou pela abertura e espreitou para o interior.
Naquela escuridão, havia um frio da profundidade - não era uma sepultura, mas sim um dos túmulos grandes, dos mais ricos. Jhirun engoliu em seco, limpou as mãos à saia, e tentou penetrar pela estreita abertura, quase não o conseguindo. Entrou em desespero por um momento, achando que tal descoberta era de mais para si só, pensando que teria de regressar para chamar os seus primos; e que esses seus primos ladrões lhe deixariam só o que não prestasse - se a sepultura ainda estivesse intacta quando os trouxesse. Recordou-se da névoa a leste, e da probabilidade de chuva. 
Mas os seus olhos acostumaram-se à escuridão, e viu que havia luz a entrar vinda de uma abertura mais elevada; o cimo do túmulo também devia ter uma brecha, e a cúpula devia estar fraccionada. Não conseguia ver o interior do túnel, mas sabia que devia certamente ser um túmulo intacto; nenhum ladrão anterior teria entrado num túmulo daqueles do cimo, arriscando-se a partir o pescoço. As buscas de algum observador anterior procuravam apenas o topo de uma sepultura no monte que tivesse caído, criando erosão no nível inferior. E essa oportunidade tinha-lhe dado o privilégio que muitas gerações de habitantes de Barrows tinham sonhado em vão encontrar, uma lenda a ser contada vezes sem conta na segurança quente do domínio de Barrows até a terra acabar.
Apertou os amuletos que trazia ao pescoço, a protecção contra os fantasmas. Com eles, não receava o escuro em tais lugares, pois tinha andado dentro e fora de sepulturas desde a infância. Os perigos que receava eram um tecto fraco ou um túnel de acesso em estado de degradação. Sabia que não devia trepar a encosta pelo exterior, fraca como estava. Tinha ouvido uma centena de vezes contar como o seu tio-avô Lar tinha caído e morrido entre os ossos de uma sepultura, na abertura do monte do rei chamado Ahsrun. Suspirou e começou a contorcer-se através do local onde se encontrava, arrastando o corpo, não se preocupando com os efeitos sobre a pele dos braços, tal era a sua ansiedade.

Sem comentários:

Publicar um comentário