nº 129 - Soldado no Espaço



Autor: Robert A. Heinlein
Título original: Starship Troopers
1ª Edição: 1959
Publicado na Colecção Argonauta em 1968
Capa: Lima de Freitas
Tradução: Eurico da Fonseca

Súmula - foi apresentada no livro nº129 da Colecção, com a indicação de "Ler nas páginas seguintes a súmula do próximo volume da Colecção Argonauta": 

Soldado no Espaço, valeu a Robert A. Heinlein a alta e desejada consagração do Prémio Hugo, galardão reservado às obras de Ficção-Científica de maior projecção.
Soldado no Espaço é, com efeito, um dos melhores romances de Robert A. Heinlein, um dos mais discutidos e mais apreciados de uma carreira todavia escalonada dos mais retumbantes sucessos.
Robert A. Heinlein, cuja obra se encontra largamente representada na Colecção Argonauta, tem neste romance uma das suas mais felizes recordações, tendo obtido junto do público um assinalado sucesso.
Soldado no Espaço, foi traduzido por Eurico da Fonseca, que soube enfrentar as dificuldades do texto com a sua reconhecida proficiência.  

Introdução:

Nada há que seja vulgar nesta obra de Robert Anson Heinlein, um dos mais antigos e conhecidos autores de Ficção-Científica.
Em Soldado no Espaço (Starship Troopers), naõ são os progressos da Ciência e da Técnica que importam, Heinlein não tem sequer por objectivo principal contar-nos uma história. Pede-nos, sim, que ponhamos de parte o nosso romantismo e tomemos por base da moral humana o facto de sermos fundamentalmente "animais selvagens", impelidos pela necessidade de sobreviver.
Quanto ao valor literário da obra - que bem demonstra que, na actualidade, a Ficção-Científica está muito longe de ser dirigida sómente aos jovens -, bastará dizer que foi a primeira que mereceu nos Estados Unidos, aquando da sua publicação em 1959, as atenções dos críticos de maior nomeada. Além disso, foi através dela que, pela primeira vez, um escritor de Ficção-Científica influiu, pelo seu estilo, na corrente geral da literatura, e, pelas suas ideias, na vida intelectual norte-americana.
Na verdade, a proposição, defendida por Heinlein, de que o direito de voto só seja concedido aqueles que servirem a Humanidade como voluntários nos serviços militares ou civis, porque aprenderam assim a colocar os interesses da comunidade acima dos seus interesses pessoais, foi - e é - objecto de acesa discussão em todos os meios norte-americanos, tendo adquirido especial importância em face da crise do Vietname.
Assim se compreende que Soldado no Espaço haja merecido o tão cobiçado prémio "Hugo" na XVIII Convenção Mundial de Ficção Científica, e que no inquérito feito em 1966 pela revista "Analog", haja sido classificado como uma das dez melhores obras do género, em pé de igualdade com as Crónicas Marcianas, de Bradbury, e As Cidades Mortas, de Simak, apesar de não serem poucos os que consideram intoleráveis as mordentes críticas que nela se fazem à hipocrisia dominante na vida social e política dos Estados Unidos e as soluções que, para os males da mesma, Heinlein aponta.
É que, como Heinlein diz, a moralidade do leão tem de ser diferente da do carneiro. Para o leão não é imoral matar para comer. Senão, morreria de fome. 

Nota: uma obra de referência do Robert A. Heinlein, de que gostei muito como relato de aventuras. Esta obra foi a deu origem muitos anos depois, em 1997, ao filme de Paul Verhoeven, com o mesmo título da obra: Starship Troopers:

Sem comentários:

Publicar um comentário