nº 327 - O Que Será o Futuro


Autor: James Isaac Asimov
Título original: The Future in Question
1ª Edição: 1980
Publicado na Colecção Argonauta em 1984
Capa: A. Pedro
Tradução: Eurico da Fonseca 

Súmula - Foi apresentada no livro nº326 da Colecção, com a indicação de "Ler nas páginas seguintes a súmula do próximo volume da Colecção Argonauta":

Das dezassete histórias que constituíam a colectânea The Future in Question, organizada por Isaac Asimov, Martin Greenberg e Joseph Orlander, foram publicadas dez no volume Mensagens do Futuro (nº 320) da Colecção Argonauta. Razões técnicas óbvias impediram que nele fossem incluídas as restantes. Mas estas surgem agora em O Que Será o Futuro. Trata-se de If All Men Were Brothers, Would You Let One Marry Your Sister? - de Theodore Sturgeon; Will You Wait? - de Alfred Bester; Who Goes There? - de John Campbell, Jr,; An Eye for What? - de Damon Knight; I Pinglot, Who You? - de Fredrik Pohl; Will You Walk a Little Faster? - de William Tenn, e Who's In Charge Here? - de James Blish.

Introdução:

Da colectânea "The Future in Question", organizada por Isaac Asimov, Martin Greenberg e Joseph Orlander, foram publicadas dez histórias no volume Mensagens do Futuro (nº 320) da Colecção Argonauta. 
Isso aconteceu por razões técnicas: era obviamente impossível incluir as 17 histórias do original num volume com as dimensões habituais dos da Colecção. Como a ligação entre elas era simplesmente a de conterem uma interrogação no título, decidiu-se publicar as restantes noutro volume, o que se faz agora.
Se as primeiras histórias eram excepcionais, as do presente volume não o são menos. Sem menosprezo para as restantes, importa notar que "e Todos os Homens Fossem Irmãos, Deixarias Que Um Casasse com a Tua Irmã?" ("If All Men Were Brothers, Would You Let One Marry Your Sister?"), de Theodore Sturgeon, e "Quem Anda Aí?" ("Who Goes There?"), de John W. Campbell, Jr., são das melhores (e das mais célebres) entre todas as de ficção científica, em todos os tempos.

Nota: a informação editorial aqui prestada aos leitores é no meu entender, mais uma vez, superficial e despropositada. Penso que neste, como em outros casos, terá pesado mais o facto de poderem dividir uma obra em duas por razões de lucro (assim ganhavam o dobro com apenas uma obra) do que preocupações com a dimensão do volume, facto que aliás após o nº 552 parece ter deixado para a editora de fazer sentido ou merecer qualquer preocupação, já que alteraram o formato e o preço, precipitando incautamente o fim da Colecção Argonauta. Além do mais, é óbvio que ao contrário do que é referido na introdução disponibilizada acima, a ligação entre as histórias não era "simplesmente" o facto de conterem uma interrogação no título, mas sim o de fazerem parte de uma colectânea organizada pelos autores mencionados, facto que devia ter sido respeitado publicando-as todas num único volume, ou então publicando as restantes histórias logo no número a seguir, neste caso o nº 321.

Sem comentários:

Enviar um comentário