nº 308 - Prisioneiros do Poder 2



Autor: Arkady e B. Strugatsky
Título original: Prisioners of Power
1ª Edição: 1969
Publicado na Colecção Argonauta em 1983
Capa: A. Pedro
Tradução: Eurico da Fonseca 

Súmula - Foi apresentada no livro nº307 da Colecção, com a indicação de "Ler nas páginas seguintes a súmula do próximo volume da Colecção Argonauta":

Se o primeiro volume da obra dos irmãos Strugatsky revelou algo de novo no domínio da ficção-científica, o segundo leva ainda mais longe essa sensação de novidade. Literalmente até ao fim. Um fim inesperado, como a de uma das melhores novelas policiais, e no entanto muito lógico - de uma lógica que obriga a reler toda a obra, para nela se reconhecerem, uma a uma, as pistas que, com toda a naturalidade, com uma aparente inocência, os autores foram deixando.
Eis as primeiras linhas do segundo volume:

... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ...

O primeiro tipo despedaçou a lagarta e pela primeira vez em vinte anos o monstro abandonou o seu trilho bem marcado. Tombando pedaços de betão, abriu caminho por um pomar e rodou sobre si próprio lentamente. A sua frente larga avançou pelo mato e, com um forte estalo, atirou para o lado as árvores trémulas.
Quando a imensa e lamacenta traseira se levantou a prumo, a couraça pendurada em rebites ferrugentos, Zef atirou uma carga explosiva para o motor com um belo tiro, apontado para evitar o reactor. Rasgou os músculos do tanque, os tendões, o sistema nervoso; a máquina ofegou mecânicamente, bufou fumo quente e branco das suas articulações, e parou para sempre. Mas qualquer coisa vivia ainda dentro do seu maldoso coração blindado; alguns nervos sobreviventes continuam a enviar sinais ao acaso: os seus sistemas de emergência ainda fremiam, ligando-se e desligando-se, murmurando e cuspindo espuma; e ele tremeu vagarosamente, escavando a terra com a lagarta sobrevivente. Ameaçador e insensato, com o ventre de uma vespa esmagada, o tubo de vigas cruzadas do lançador de foguetes ergueu-se e caiu do alto sobre o dragão expirante. Zef observou a agonia durante alguns segundos e depois voltou-se e dirigiu-se para a floresta, arrastando o lança-granadas pela bandoleira. Maxim e Vepr seguiram-no. Quando alcançaram uma clareira calma que Zef por certo notara no caminho, deitaram-se na relva.
- Folga para fumar - anunciou Zef.
Enrolou um cigarro para o maneta Vepr, deu-lhe lume e acendeu o seu cigarro. Apoiando o queixo nas mãos, Maxim deixou-se ficar a olhar o moribundo dragão de ferro através das árvores dispersas. As rodas propulsoras da máquina agitavam-se como que com tristeza. Jactos de vapor radioactivo saíam das suas entranhas desfeitas.
- Esta é a maneira de fazer a coisa e a única possível - observou Zef num tom didáctico.
- Se não fizerem assim, arranco-lhs as orelhas.
- Porquê? - perguntou Maxim.
- Eu quis detê-lo.
- Porque uma granada pode fazer ricochete no lança-foguetes. E então estaríamos todos arrumados.
- Apontei à lagarta.
- Tens de apontar à parte traseira - esclareceu Zef. - E de uma maneira geral, quando se é novato neste serviço, nunca se dá o primeiro tiro. A menos que eu diga para o fazer. Está claro?
- Está.
Nem os pormenores da instrução dados por Zef, nem o próprio Zef interessavam a Maxim. Vepr sim. Mas Vepr, com o seu braço artificial apoiado no invólucro delapidado do detector de minas, mantinha o seu silêncio habitual, indiferente. Nada mudara e Mac estava inquieto.
Uma semana antes, quando os novos prisioneiros tinham formado na frente dos quartéis, Zef dirigira-se a Maxim e escolhera-o para a sua 10º Unidade de Sapadores. Maxim ficara deliciado. Não só reconhecera imediatamente a flamejante barba ruiva e o corpo atarracado e forte como Zef também o reconhecera , naquela sufocante multidão de condenados com uniformes axadrezados, onde ninguém se importava com os outros.

... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ...

Sem comentários:

Publicar um comentário