nº 291 - O Labirinto Mágico 3



Autor: Philip José Farmer
Título original: The Magic Labyrinth
1ª Edição: 1980
Publicado na Colecção Argonauta em 1981
Capa: A. Pedro
Tradução: Eurico da Fonseca 

Súmula - Foi apresentada no livro nº290 da Colecção, com a indicação de "Ler nas páginas seguintes a súmula do próximo volume da Colecção Argonauta":

A longa série iniciada com Mundo Sem Morte, de Philip José Farmer, está a chegar ao fim. No terceiro e último volume de O Labirinto Mágico tudo se explica. O que até agora poderá ter parecido uma obra de fantasia e aventura torna-se em verdadeira ficção-científica - da melhor em todos os tempos. Como se poderá apreciar através do seguinte fragmento:

... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ...

- Esta porta é um grande visor de TV. Também tenho outros visores que parecem fazer parte das paredes. Estão situados de modo que eu possa ver este corredor para além das suas curvas numa distância razoável.
Entraram com Loga na Sala. A meio ele parou, baixou-se, voltou-se olhando para a parede e disse de novo a palavra de código. Uma parte da parede, ainda que aparentemente formasse uma superfície sem solução de continuidade, recuou e deslizou. O compartimento a que dava acesso estava bem iluminado e continha algum equipamento sobre mesas, um grande armário e dois esqueletos, os quais estavam voltados para a porta como se as pessoas a quem eles tinham pertencido fossem a sair da sala. No chão, perto dos ossos dos dedos, havia uma caixa de metal. Tinha mostradores, botões e um pequeno visor de vídeo de um lado e pernos no outro.
Loga lamentou: 
- Se eu tivesse podido enviar o sinal alguns segundos antes, tê-los-ia apanhado antes de eles retirarem a caixa de comando.
- Mas você não podia saber disso - observou Burton. - Não podia correr o risco de se matar. Já agora, porque estavam as portas fechadas? Esses dois tiveram de as abrir para entrar.
Nur perguntou:
- Como entraram eles, se não deviam conhecer os códigos?
Ao fim de setenta de cinco segundos, as portas fecham-se automaticamente a menos que recebam contra-ordem. O que aconteceu é que os investigadores localizaram esta sala ao traçarem os circuitos. Devia ter sido um trabalho muito longo e muito árduo porque não podiam usar o computador. Quando localizaram esta sala devem ter usado magnetómetros. Voltaram para encontrar a fonte de alimentação e descobriram a caixa de código da programação abrir-fechar. Não devem ter demorado muito a determinar o código.
- Mas quanto à pancada que acompanha o código? Como...
- Também devem ter descoberto isso, ainda que levasse mais tempo.
Apontou para o armário:
- É o ressuscitador.

... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ...

Sem comentários:

Enviar um comentário