nº 193 - Depois da Derrocada



Autor: Philip E. High
Título original: These Savage Futurians
1ª Edição: 1967
Publicado na Colecção Argonauta em 1973
Capa: Lima de Freitas
Tradução: Eurico da Fonseca

Súmula - foi apresentada no livro nº192 da Colecção, com a indicação de "Ler nas páginas seguintes a súmula do próximo volume da Colecção Argonauta": 

O disco de indentidade não continha escrita ou símbolo algum. Era apenas um círculo de metal em que havia sido aberto um grande número de furos. O interrogador passou os seus dedos castanhos, de pontas arredondadas, sobre a sua superfície. Os furos, de diâmetro e arranjo variáveis, deram-lhe uma imagem completa do proprietário do disco - Robert Ventnor, idade, 27 anos. Trabalhador agrícola solteiro. Classificação psiquiátrica: 225-9-446. Ao lado do disco, três furos separados davam um aviso psicogenético - P-D-G.
O pai de Ventnor fora destruído por ser culpado do engenho, e parecia que essa tendência fora transmitida à geração seguinte. O pior é que a tendência, ainda que latente, era predominantemente crescente. O interrogador decidida já que havia qualquer coisa a fazer a esse respeito.
- Onde vais?
- A Gret.
- Não é a tua aldeia.
- Sim, mas há uma garota...
- Não é avisado perseguir as mulheres das outras aldeias.
- Não há lei alguma contra isso, Padre.
- Nem há lei alguma que te proteja se os machos dessa aldeia se sentirem ofendidos com o teu atrevimento. - O paadre voltou-se de repente e afastou-se. Um homem atarracado, vestindo de negro como era de tradição, com um curioso círculo branco em torno do pescoço, e qeu usava também um chapéu redondo com uma aba enrolada para cima, que parecia nunca lhe sair da cabeça.
Ventnor olhou-o com uma sensação de alívio. Ouvira dizer que os padres, havia muitos anos, tinham sido homens de honra, curadores e dispensadores de mistérios. Agora, no entanto, eram os guardas, os espiões, os administradores da justiça sumária.
Voltou-se lentamente, para o caso de o padre ainda o estar a vigiar, e começou a coxear na direcção de Gret. Na verdade, não era lento no andar nem gaguejava, mas tivera o cuidado de fingir esses defeitos desde a idade dos dezoito anos.
O pai fora volúvel, rápido de movimentos, ardoroso e curioso. Características que, no fim, o tinham levado à morte, ou haviam ajudado a isso.
O velho Ventnor fora hábil de mãos e, em vez de se confinar na simples carpintaria, improvisara e criara. Nada de extraordinário: um ferrolho original, uma ferramenta de plantar, uma dobradiça - o suficiente para ser apontado como homem de engenho, o bastante para que o marcassem.
Uma vez que o homem era marcado, nada havia a fazer além de esperar; não valia a pena fugir. Ninguém via o marcador aparecer e ninguém o via desaparecer. Apenas um relâmpago...
Ventnor estremeceu, porque ainda se lembrava vivamente do que acontecera. O pai a beber, por um copo de plástico, e, de repente - de repente, nada! Um relâmpago, o copo a girar num pequeno círculo sobre o chão duro e alguns flocos de cinza branca a caírem, de parte nenhuma.
Eis um trecho de Depois da Derrocada, uma obra diferente de um autor diferente - Philip E. High -, com um tema verdadeiramente inesperdo, e que constituirá DEPOIS DA DERROCADA. 

Sem comentários:

Publicar um comentário