nº 227 - O Outro Lado do Tempo



Autor: Clifford D. Simak
Título original: Enchanted Pilgrimage
1ª Edição: 1975
Publicado na Colecção Argonauta em 1976
Capa: Manuel Dias

Tradução: Eurico da Fonseca 


Súmula - Foi apresentada no livro nº226 da Colecção, com a indicação de "Ler nas páginas seguintes a súmula do próximo volume da Colecção Argonauta":

Quem não se recorda de O Tempo dos Duendes (publicado na Colecção Argonauta com o nº148), uma das obras mais curiosas desse génio que se chama Clifford D. Simak? Enveredando mais uma vez pelo ramo da ficção-científica que alguns críticos classificam como sendo a "ficção especulativa", Simak leva-nos de novo ao mundo dos duendes - ao mundo dos seres mitológicos, daqueles seres de que todas as lendas de todos os povos falam, certamente não por acaso. Em O Outro Lado do Tempo - (Enchanted Pilgrimage), a sua mais recente obra, Simak desenvolve o tema e sugere que "há dez mil anos, qualquer coisa ou qualquer pessoa pode ter aberto uma nova probabilidade de existência para o mundo dos homens". De um lado, o mundo que conhecemos. Do outro, um mundo em que a magia e a ciência podem viver lado a lado - um mundo em que duendes, unicórnios e outros seres mágicos podem viver juntamente com autómatos, bicicletas, armas de fogo e discos voadores.
Um tema simultâneamente aliciante e difícil, que poderia resultar numa fantasia incongruente se não fosse tratado com a mestria - com a maravilhosa poesia - de um autor como Simak. Uma obra para ler e reler - e meditar.

Introdução:

Clifford D. Simak é um dos autores de ficção-científica mais traduzidos na lingua portuguesa. Detentor do International Fantasy Award, conquistado em 1953 com uma obra fundamental: City - (A Cidade dos Mortos, nº117 da Colecção Argonauta), obteve em 1964 o mais alto galardão do género: o prémio Hugo, com outro livro inesquecível: Way Station - (nº 134-A da Colecção Argonauta e nº200 da Colecção Vampiro).
Sendo o verdadeiro criador daquilo a que hoje se dá o nome de "ficção especulativa" - (Speculative Fiction), todos os seus trabalhos, nos tempos modernos, se caracterizam por uma visão muito peculiar da sociedade, voltada menos para a ciência do que para o homem e para todas as criaturas. Simak torna a lenda em realidade, a magia em saber positivo. Por vezes, parece enveredar pela fantasia - mas apenas para explorar melhor, de uma maneira infinitamente filosófica, as teses clássicas da ficção-científica: o mundo do impossível tornado possível. É o que acontece com a presente obra - Enchanted Pilgrimage - que na nossa língua tomou o título de O Outro Lado do Tempo, e que tem por base, mais uma vez, a interdependência das coisas vivas (e até das coisas que julgamos míticas), num mundo que parecerá maravilhoso a uns e que a outros parecerá de pesadelo - num mundo que todos dirão imaginário, mas que bem pode ser paralelo ao nosso.

Nota: se tivesse que escolher uma obra preferida do Clifford D. Simak, tinha várias possibilidades, mas de certeza que acabava por escolher esta... ou a Estação de Trânsito (nº130-A). Este livro para mim reúne da melhor maneira tudo aquilo que aprecio imenso nas obras deste autor. Duendes, Gnomos, Natureza, Bosques, percursos aventurosos acompanhados por seres mágicos da floresta, pântanos, bibliotecas, romance, amizade... neste livro está isso tudo. Escrito daquela maneira especial que só o Clifford conseguia escrever. Um livro mágico!

2 comentários:

  1. Espectacular. Não conhecia a obra de Simak e fiquei agradavelmente surpreendido. Fiquei fã e vou ler o que puder encontrar deste autor.

    José Fernandes

    ResponderEliminar
  2. Obrigado pelo comentário, amigo. Sugiro que leia a "Estação de Trânsito", uma autêntica "Primus Inter Pares" desta! É o nº 130-A desta Colecção, muito difícil de arranjar. Mas pode encontrar a obra também num volume duplo comemorativo da Colecção Vampiro, com o nº200.

    ResponderEliminar