nº 312 - Projecto Papa (2)



Autor: Clifford D. Simak
Título original: Project Pope 
1ª Edição: 1981
Publicado na Colecção Argonauta em 1983
Capa: A. Pedro
Tradução: Eurico da Fonseca 

Súmula - Foi apresentada no livro nº311 da Colecção, com a indicação de "Ler nas páginas seguintes a súmula do próximo volume da Colecção Argonauta":

Se o primeiro volume de Projecto Papa contém uma das melhores descrições do que poderia ser uma sociedade de autómatos - não de simples robots, concebidos para executar as ordens programadas pelos construtores, mas de verdadeiros seres mecânicos pensantes - o segundo, como se verá, vai muito mais longe, lançando-se em domínios nunca aprofundados pela ficção-científica -, mesmo pelo próprio Clifford D. Simak.
Eis o começo do segundo volume de Projecto Papa:

  ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ...  

Os Velhos da Floresta falavam entre eles, a agradável conversinha de coisas pouco importantes - de toda a parte em torno do planeta falavam uns com os outros, cheios de respeito uns pelos outros, à vontade nas suas relações.
- Houve tempos - disse um deles que vivia numa verde planície que se estendia por centenas de quilómetros de cada lado da cadeia de montanhas que se erguia sobre o Vaticano - houve tempos em que eu estava muito preocupado com a gente de metal que se estabelecera na nossa superfície. Temi que se expandissem, que roubassem o nosso solo e as nossas árvores, os nossos tesouros minerais, desperdiçando a nossa água e a nossa terra. Ainda fiquei mais preocupado quando soube que a gente de metal era uma criação da gente orgânica que os concebera como seus servos. Mas depois de longos anos de vigilância, parecem não oferecer perigo.
- São gente decente - disse o Velho que vivia nos altos picos por cima da cabana de Decker, de onde mantinha uma constante vigilância sobre o Vaticano. - Usam os nossos recursos, mas usam-nos sabiamente, tirando somente o necessário, cuidando de preservar a fertilidade do solo.
Outro que morava entre os altos picos, a oeste do Vaticano, disse:
- A princípio fiquei perturbado pelo muito uso que eles faziam das árvores. ao princípio precisavam de grandes quantidades de madeira e agora também. Mas cortam-nas com saber, nunca desperdiçando nada e nunca cortando em demasia. Por vezes plantam pequenos rebentos para substituir as árvores que cortam. 
São vizinhos muito satisfatórios - disse ainda outro que vivia ao pé de um oceano do outro lado do planeta. - Se era nosso destino ter vizinhos, tivemos muita sorte com estes. 

... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... 

Sem comentários:

Publicar um comentário