nº 145 - Bomba-H Sobre Los Angeles



Autor: Robert Moore Williams
Título original: The Day They H-Bombed Los Angeles
1ª Edição: 1961
Publicado na Colecção Argonauta em 1969
Capa: Lima de Freitas
Tradução: Eurico da Fonseca

Súmula - foi apresentada no livro nº144 da Colecção, com a indicação de "Ler nas páginas seguintes a súmula do próximo volume da Colecção Argonauta":

É um dos romances mais empolgantes esta obra de ficção-científica, que a Colecção Argonauta tem a honra de apresentar, trazendo até nós, pela primeira vez, o nome de Robert. Moore Williams.
Seguidamente, inserimos um trecho dessas páginas emocionantes do grande escritor norte-americano:

... ... ... ... ... ... ... ...  ... ... ... ... ... ... ... ...  ... ... ... ... ... ... ... ...  ... ... ... ... ... ... ... ...  ... ... ... ... ... ... 


Para a área da baía de Los Angeles, o dia fora absolutamente normal - pelo menos era o que Tom Watkins pensava quando entrou com o seu carrinho de desporto num parque de estacionamento e esperou que o guarda lhe desse a respectiva senha. O tráfego não parecia tão denso como era habitual; talvez houvesse menos pessoas nas ruas. Estranhos boatos sobre qualquer perigo mortal na baía circulavam havia meses, e tinham dado motivo a que dezenas de milhares de pessoas assustadas houvessem deixado aquela zona. Mas as coisas pareciam bastante normais. Na baía, um rebocador tinha um osso nos dentes: um grande paquete que viera dos confins do Pacífico azul. Mesmo em frente do parque de estacionamento, um grande armazém de cimento armado parecia bem substancial, impondo a sua realidade.
- Tome a sua senha... - foi tudo quanto o guarda disse, antes que uma luz intolerávelmente brilhante explodisse no céu. Surgira para os lados de Pasadena, sobre a Rose City, ou talvez sobre a parte baixa de Los Angeles. A sua distância era difícil de determinar, mas a intensidade não. Era mais brilhante do que o Sol. Quando relampejou no céu, a luz do Sol pareceu apagar-se e tornar-se numa claridade muito fraca. Tom Watkins apenas a viu de relance pelo canto dos olhos. O guarda, olhou-a de frente. Deixou cair a senha, levou as mãos aos olhos e começou a gritar:
- Estou cego! Estou cego!
Nenhum som acompanhara a luz - por enquanto.
Tom Watkins não necessitava que alguém lhe dissesse que luz era aquela. Soube imediatamente de onde ela viera - sabia-o melhor que o seu próprio nome, sabia-o com uma certeza absoluta. Olhou para a rua o tempo suficiente para localizar o circuito, o A e a seta indicadora, depois abriu de um sacão a porta do seu carro e saltou. 
- Venha comigo, homem! Não há tempo a perder!
- Estou cego! - gritou o guarda. - Chame um médico, depressa!
- Não há tempo para médicos. - Watkins não quis olhar para ela, mas sabia que a luz ainda brilhava no céu. Nem quis acrescentar que talvez nunca mais houvesse tempo para procurar um médico. - Venha daí! Eu guio-o! - Agarrou nos braços do guarda. Watkins não conhecia o homem. Estava a apenas a tentar ajudar um ser humano.
-Largue-me! Não me toque! - Soltando-se bruscamente, o guarda procurou dirigir-se para a sua barraca. Watkins viu-o de relance a tentar telefonar. Não quis ver mais nada. Nem sequer tentou servir-se do carro. Sabia que dentro de segundos, antes que o pudesse virar em direcção à rua, seria um monte de sucata retorcida.
A menos que ele alcançasse bem depressa o abrigo, seria também um monte de sucata - humana - retorcida. Dirigiu-se também para ele, a correr.
Na rua os carros corriam também em direcção ao passeio. Os pára-choques batiam e os guarda-lamas amachucavam-se. Algumas pessoas que, como o guarda do parque de estacionamento, tinham olhado para a luz brilhante quando ela surgira no céu, cobriam agora os olhos com as mãos e começavam a gritar. Outras, ainda capazes de ver, dirigiam-se para o lugar onde a seta apontava para uma escada que conduzia a uma arcada entre dois edifícios. Mas a maior parte delas não compreendera ainda o que havia acontecido. Até que uma - uma mulher gorda, com um grande saco de compras - compreendeu: 
- Foi uma bomba atómica! - gritou ela. Largou o saco e começou a correr na direcção da seta. Tom Watkins não lhe quis dizer que a luz que ainda brilhava no céu não provinha de uma bomba atómica. 
Fora gerada por uma bomba de hidrogénio.
Depois de a mulher gorda ter gritado, toda a gente que a ouvira sabia o que estava a enfrentar, e a rua tornou-se estranhamente silenciosa. A luz do céu estava agora a perder intensidade. No entanto, parecia que havia no ar uma inacreditável tensão eléctrica. Dir-se-ia que ela abafava os sons, mas não amortecia os pensamentos. Tom Watkins desejou que ela o houvesse feito. Os seus pensamentos nada tinham de agradáveis.
Pensava que aquilo era o princípio da última guerra a que a Humanidade assistiria. Aqueles que sobrevivessem - e alguém houvesse - teriam de voltar aos pântanos, às selvas e às solitárias cadeias de montanhas, para daí recomeçarem a lenta marcha da civilização. Muitas gerações seriam necessárias para eliminar dos filhos dos sobreviventes daquele dia as deformações resultantes da radiação e da precipitação dos detritos. Os filhos do homem e os filhos dos seus filhos mudariam. Seriam ainda humanos quandoa sua criação se estabilizasse finalmente?
Watkins chegou ao cimo das escadas. À esquerda estava uma loja de aparelhos de rádio e televisão e reparações de equipamento electrodoméstico. Notou que tinha em exposição, na montra, alguns contadoers de radiação. Do outro lado havia uma pequena loja que expunha malas de viagem numa montra e perfumes na outra.
A onda de choque surgiu, ressoando através do céu - BRUUUUMMMMM! BUUUNG! BRUUUUMMMMM! - como as trombetas do Juízo Final. Abalou a terra, o ar acima da terra e a estratosfera por cima dele. Tom Watkins sentiu a pressão bater-lhe nas costas e lançá-lo pelas escadas abaixo. Tropeçando, conseguiu agarrar-se ao corrimão e equilibrar-se. Os degraus de cimento tremiam sob os seus pés. À sua volta, caíam pessoas, como palitos no jogo da malha. A mulher gorda passou por ele, acompanhada por um homem alto, parecendo folhas arrastadas por um furacão.

... ... ... ... ... ... ... ...  ... ... ... ... ... ... ... ...  ... ... ... ... ... ... ... ...  ... ... ... ... ... ... ... ...  ... ... ... ... ... ... 

Introdução:

Ainda que seja pouco conhecido do nosso público, Robert Moore Williams é um dos mais antigos, mais prolíficos e considerados autores de ficção-científica.
Muitas das suas obras - em particular a célebre novela Doomsday Eve - têm sido publicadas em antologias. Em Bomba-H Sobre Los Angeles (The Day They H-Bombed Los Angeles) ele retoma, até certo ponto e com a sua habitual mestria, um tema que a Humanidade desejaria jamais ver tornar-se realidade - o bombardeamento termonuclear de uma grande cidade.
Se a descrição da catástrofe - da maior catástrofe que o homem pode provocar - é esmagadora, principalmente pelo pormenor humano, as suas causas são as mais inesperadas que é possível conceber. E, no entanto, nada têm de fantásticas. Só um grande autor - um homem "que tem a arte de escrever no seu sangue", como Robert Moore Williams - seria capaz de colocar com tanta inteligência e vigor, lado a lado, a verdade e a imaginação. Porque as causas da destruição de Los Angeles seriam mais terríveis que a própria Bomba-H.

Sem comentários:

Publicar um comentário