nº 361 - A Luz e as Trevas



Autor: L. Sprague de Camp
Título original: Lest Darkness Falls
1ª Edição: 1939
Publicado na Colecção Argonauta em 1987
Capa: A. Pedro
Tradução: Eurico da Fonseca

Súmula - Foi apresentada no livro nº360 da Colecção, com a indicação de "Ler nas páginas seguintes a súmula do próximo volume da Colecção Argonauta":

Martin Padway, um arqueólogo do século XX, ao passear pelas ruas de Roma, vê-se de súbito - inexplicavelmente - transportado para o século VI. sabe que as trevas se aproximam, que a civilização romana está moribunda e que um tempo de miséria, ignorância e superstição vai surgir e perdurar.
Padway decidi lutar. Põe os seus conhecimentos de homem moderno em acção. Tornado no Questor Martinus Paduci, simula a invenção da imprensa e dos jornais, dos algarismos árabes, da contabilidade, da destilação, e redescobre a astronomia copernicana. Um dia irá mais longe - a máquina a vapor, a bússola o telégrafo eléctrico. Com isso conquista fama e inimigos. Mas o seu objectivo não é um triunfo pessoal; é o de repelir as trevas com a luz do Conhecimento e, assim, modificar a História. 
Consegui-lo-á?
Eis um pequeno excerto:

... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ...  

Tancredi tirou de novo as mãos do volante e acenou com elas:
- Invejo-o, Dr. Padway. Aqui em Roma ainda temos algum trabalho a fazer. Mas... trata-se de pormenores. Nada de importante, nada de novo. E restauros. Ah!
Martin Padway respondeu pacientemente:
- Professor Padway, como disse não sou doutor. Espero sê-lo dentro em pouco, se conseguir fazer uma tese daquela escavação no Líbano.
Tancredi agarrou o volante a tempo de evitar um carro de luxo e retorquiu:
- Qual é a diferença? Aqui toda a gente é doutor mesmo que não seja. E você é jovem e inteligente. De que estava eu a falar?
- Depende - Padway fechou os olhos quando um peão escapou por pouco à morte.
- Falámos sobre as inscrições etruscas, a natureza do tempo, a arqueologia roma...
- Ah! A natureza do tempo! É uma ideia minha, um disparate. Estava a dizer que aquela gente que desapareceu foi pelo tronco abaixo.
- Quê?
Pelo tronco do tempo. Quando deixam de escorregar por ele, encontram-se num tempo qualquer do passado. Mas tão depressa fazem alguma coisa, mudam toda a história subsequente.
- Parece um paradoxo.
- Não. O tronco continua a existir, mas no sítio onde um deles parou nasce um novo ramo. Tem de ser, porque então os nossos pais nunca se teriam encontrado e nós não existiríamos. A história é uma teia tetradimensional. É uma teia muito forte, mas tem pontos fracos. As áreas de junção - os pontos focais - são fracos. A escorregadela, se for um facto, deve dar-se nesses pontos.
- Que entende por pontos focais?- perguntou Padway; na verdade aquilo parecia-lhe um disparate.
- Os lugares como Roma, onde se intersectam as linhas de tantos acontecimentos famosos. Ou Istambul. Ou Babilónia. Recorda-se do arqueólogo Skrzetuski, que desapareceu em Babilónia?
- Pensei que tivesse sido morto pelos árabes.
- Nunca encontraram o corpo dele. Roma pode vir bem depressa a ser o centro de ponto de intersecção de grandes acontecimentos. Isso significa que a rede está a enfraquecer outra vez.
- Espero que não bombardeiem o Fórum.
- Não. Não haverá mais guerras, toda a gente saber que é demasiado perigoso. Venha jantar comigo amanhã que lhe mostrarei as equações. Mas não fale disto aos meus colegas. É uma excentricidade inofensiva. Você é casado?
- O quê? Ah! Sim..
- Belo. Leve-a. Vão ver o que é a verdadeira cozinha italiana.
- Ela está em Chicago. - Padway não se sentiu disposto a explicar que estava separado da mulher havia mais de um ano. Só por loucura se explicava que um explorador sempre ausente, um homem de orelhas e nariz tão grande que lhe chamavam o Rato, se tivesse casado.  
Apeou-se na Plazza dell Pantheon e Tancredi afastou-se a acenar e a gritar:
- Amanhã às oito da noite, não se esqueça. 
Padway olhou para o edifício durante alguns momentos. Considerara-o sempre muito feio, com a frente coríntia no meio da rotunda de tijolos. Sem dúvida que a grande cúpula fora uma notável obra de engenharia, considerando a época em que fora construida. Chovia fortemente e decidiu abrigar-se no pórtico. Teve de saltar, para não ficar todo enlameado quando um militar, numa motocicleta, passou por ele.
Subitamente, um relâmpago enorme, o maior de quantos já vira, caiu na Plazza, à sua direita. O pavimento pareceu fugir debaixo dos pés dele, como um alçapão que se abrisse. Os pés pareciam pendurados no vácuo.

 ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ...

Sem comentários:

Publicar um comentário