nº 207 - A Máquina de Governar



Autor: Philip K. Dick
Título original: Vulcan's Hammer
1ª Edição: 1960
Publicado na Colecção Argonauta em 1974

Capa: Lima de Freitas
Tradução: Eurico da Fonseca 

Súmula - foi apresentada no livro nº206 da Colecção, com a indicação de "Ler nas páginas seguintes a súmula do próximo volume da Colecção Argonauta":  

Em A Máquina de Governar, Philip K. Dick, o famoso escritor de ficção-científica, apresenta-nos o estranho mudo futuro em que uma poderosa organização governamental se vê ameaçada pelos aspectos mais atávicos das populações submetidas.
Obra básica das modernas tendências da literatura de antecipação, A Máquina de Governar, concebida nos limites do fantástico, cria um universo em que a angústia, o desespero e o terror incontroláveis dominam uma intriga verdadeiramente clássica.
Técnicamente perfeito e altamente organizado, o Poder é, não obstante, contestado por uma massa amorfa de populações cuja miséria e primitivismo não fazem supôr que sejam capazes de reacções que ultrapassem os instintos... No entanto, Arthur Pitt, o agente massacrado em Alabama, é vitimado por algo de muito mais poderoso do que o ódio incontrolável das populações. Efectivamente, entre os assassinos actua, em silêncio, uma organização eficaz e inteligente, conhecedora de todas as novas técnicas e suficientemente apta para lhes fazer frente. Quais serão os seus objectivos? Quem "assassinou" Arthur Pitt? Como reagirão o Governo e os seus agentes? Que terríveis sucessos foram planeados pelos chefes de uma nova mística que dirige a revolta das populações? Até quando poderá sobreviver uma sociedade só aparentemente estável? Quais são os verdadeiros frutos da desconfiança e da suspeita, mesmo quando esta se manifesta no seio de uma organização estatal altamente desenvolvida?
É indispensável ler A Máquina de Governar para obtermos as respostas certas a problemas que são, afinal, do nosso tempo.

Sem comentários:

Publicar um comentário